domingo, 13 de setembro de 2015

Acariciava-me ardentemente.


Acariciava-me ardentemente, entre as paredes do meu quarto, fogosa, carente, prisioneira de mim mesma, chamava pelo teu nome como se estivesses ali e me ouvisses...despia-me para ti, abria-me, já louca de desejo e tesão, e tu... e tu em meu pensamento, sussurravas-me baixinho; brinca para mim, dá-me a tua flor nem que seja só uma vez. Eu anteriorizava, e continuava frente a ti  num frenesim de tesão, gemendo de tanto prazer, e tu frente a mim,  gozavas, louco por me poder ver. Acariciava-me só para ti, mergulhada no desejo de um orgasmo de saudade.

Gostava que deixasse a marca da sua passagem.

2 comentários: