sábado, 9 de janeiro de 2016

Uma mesa de bar ... olhares que se cruzam ... Uma noite tórrida em carinhos de luxuria.

Silvana Marques. Era bailarina  num pub, algures na zona de Sesimbra, no horário nocturno. Num dia de folga fez uma visita ao seu local de trabalho. Descontraída, sentou-se num sofá onde, tomou uma bebida, enquanto apreciava o ambiente.

Numa mesa em frente, encontrava-se um cliente, seu conhecido, que frequentava regularmente o Pub. Fumava um cigarro, saboreava  um whisky. Notava-se que estava pensativo e algo nervoso. 
Sabia chamar-se Rafael Nolasco. Decide então levantar-se e ir até junto dele, perguntando se se podia sentar a seu lado. Recebeu anuência desse. Pergunta-lhe o que se passava, pois não era costume vê-lo assim com um ar tão triste e fechado. Rafael olhando-a olhos nos olhos, confessa-lhe que tinha encontrado a namorada com outro homem. Que embora a sua reacção tenha sido nula, pela surpresa, havia decidido ir beber uns copos a fim de desanuviar as ideias.

Silvana, estava também sozinha no momento. Não tinha namorado. Dando-lhe todo o apoio, diz-lhe que a bebida não ia resolver nada. Seguidamente num ato carinhoso passa-lhe a mão pelo rosto a fim de o animar. Rafael prendeu-lhe a mão dando-lhe um beijo, puxando-a para si. Notava-se como estava carente. Silvana decide então convidá-lo para irem até ao seu apartamento para conversarem, pois aí estariam mais à vontade.


Já em casa da Silvana, e depois de terem tido uma longa conversa acerca do acontecido, decidiram arrumar o assunto e falar deles. Não foram precisas (mais) palavras, Rafael passou de imediato à acção, puxando Silvana pela cintura, dando origem à troca de ternos e escaldantes beijos.
As roupas começaram a "voar"...até se espalharem pelo chão da sala. O ambiente fervia. Ambos se sentiam ofegantes, loucos de tesão. Sabiam encontrar-se "perdidos" de excitação e desejosos do corpo um do outro. As libidos encontravam-se em "chama" ardente.
Silvana oferece a Rafael um maravilhoso oral, que deixou o amigo a suar de tanto gozo. Na sala ecoavam gemidos de prazer e luxuria. Ambos sentiam como os seus corpos vibravam
Para terminar tão belos momento de uma noite que começou triste mas acabou tórrida, Silvana puxa o amigo até ao seu quarto onde deram lugar ao "resto" mais escaldante.
Depois de ter atingido um louco orgasmo com o sexo vaginal, decide faz subir o amigo às nuvens.
Ainda sentindo escorrer  a lava da sua gruta que escaldava de gozo, deixa o seu amigo "explodir" no seu ânus. Foi a loucura total para consolo dos dois.

No final, depois de terem tomado um duche juntos, sorrindo, lembraram-se que havia faltado o uso do preservativo. A vontade e a tesão era tanta que se haviam esquecido por completo de tão importante pormenor. Depois dessa noite  a vida de Rafael Nolasco, bem como a de Silvana, nunca mais foi igual. Definitivamente, passou a ser vivida com outra cor e outro sentido.
......
.

8 comentários:

  1. Onde fica exactamente esse bar?...lool
    .
    Sábado feliz

    ResponderEliminar
  2. Carinhos que fazem esquecer o passado.Adorei

    Bjos doces

    ResponderEliminar
  3. Uau
    Pode dizer-se que há males que vêm por bem! Não fosse a traição, não teria tido uma noite tórrida como esta. Parabéns pelo texto. Muitas realidades assim.

    Bejuss- bom final de semana.

    ResponderEliminar
  4. Confesso que tinha saudades vossas.

    Este conto está uma maravilha. Como diz o ditado nada acontece por acaso. Sorte a dele. Foi uma noite de consolo.
    Adorei.

    Bjinhos e um excelente ano de 2016

    ResponderEliminar
  5. Sorte, a deste Rafael Nolasco!
    Conto muito bom.
    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Que noite maravilhosa e que grande amiga gostava ter assim uma amiga

    ResponderEliminar
  7. Conto altamente vulcânico! Que erupções fabulásticas que teve este encontro! Até sinto uns "calafrios" com estas imagens poderosas. Parabéns à autora.

    ResponderEliminar