sábado, 23 de julho de 2016

Despes-me com suavidade e volúpia.


Num desvairo meu eu me entreguei
De corpo e alma  e sem preconceito
És o amante caloroso que eu sonhei
Minha loucura em teu corpo perfeito

Despes-me com suavidade e volúpia
Teus  olhos percorrem  os meu seios
Sinto teu  mastro  como uma terapia
Ente minhas coxas entra sem receios 

Num vai  vem onde a libido acelera
Sinto-te fogoso, escaldante, amoroso
Entrego-me tão calma nesta quimera

Arde meu corpo entrando em erupção
Neste  ritmado momento e tão fogoso
Onde sinto tua lava, como um vulcão

---

4 comentários:

  1. Bom dia

    Adorei o poema. Muito bem escrito, sem dúvida um colosso. A imagem é de uma sedução ímpar

    Beijuuuuuuuuuuu

    ResponderEliminar
  2. Uau! Desta vez a imagem ficou a dever por ser o poema muito belo, uma perfeição. Gosto quando o poema chama mais a atenção que a imagem, sinal de coisa boa e bem escrita.
    Que o fim de semana traga alegrias e desejos realizados.

    Beijos de {Λїta}_ST

    http://odiariodaescrava.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  3. Um poema maravilhosamente belo e sensual! Adorei

    Bjos, Filipa

    ResponderEliminar
  4. O poema é típico da Filipa..... doce, terno, cheio de erotismo, de tesão refinado...as palavras e expressões rebuscadas, típicas de uma poeta de alto nível erótico.
    Filipa Silva, querida amiga, parabéns pelo poema!!!!

    ResponderEliminar