quinta-feira, 22 de junho de 2017

Ouço os teus gemidos ofegantes...Delírios de uma mente sedenta

Uma massagem pelos recantos do teu membro
Com a voracidade  das minhas  mãos sedentas
Ouço os teus gemidos  ofegantes e me lembro
De  quando, quase  explodes, mas  te aguentas
Ficas estático, de tesão, não perdes a virilidade 
Quando as minhas mãos te excitam, te torturam
Sinto "fervura" na tua glande, pura sensualidade
Quando na tortura, sentes as mãos que dominam
E depois desta  luxuriosa e doce massagem 
Sacias a tua sede na minha fonte de sedução
Sussurras-me, palavras meigas qual viagem
Que teu mastro faz em voluptuosa excitação.
---

9 comentários:

  1. Filipa Silva no seu melhor. Bonito poema erótico que me excitou ao ler.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Bravo Filipa...de perder o tino ^.~

    ResponderEliminar
  3. Olhando as imagens é mesmo de deixar a mente em delírio! :P :)

    Bjus querida

    ResponderEliminar
  4. Belas imagens, em bonita conjugação com um poema perfeito, do mais belo que já li na questão erótica.
    Muito bem Filipa

    ResponderEliminar
  5. Que delírio.. Que leitura prazerosa. Que vontade de procurar mãos que acariciem com tanta volúpia e que me deixem à beira da loucura.

    ResponderEliminar
  6. Filipa, o teu castigo será massajar-me o nabo...

    ResponderEliminar